sexta-feira , 21 julho 2017
Home / Campo Grande / Choque lidera temor dos monitorados a cada meio minuto por tornozeleira

Choque lidera temor dos monitorados a cada meio minuto por tornozeleira

Áreas de exclusão são mostradas em vermelho na tela. (Foto: Alcides Neto)

 

O medo de choque e saber se pode tomar banho com o dispositivo lideram as dúvidas de quem passa pela Unidade Mista de Monitoramento Virtual Estadual, em Campo Grande, para colocar a tornozeleira eletrônica, equipamento que a cada 30 segundos vai informar a localização do monitorado.

As dúvidas são esclarecidas numa preleção, onde a pessoa aprende que o dispositivo não dá choque, pode ser utilizado no banho de chuveiro e de piscina, deve ser recarregado por três horas ininterruptas todos os dias e, detalhe, nunca durante o sono pelo risco de se enrolar no fio. O dispositivo é leve e de fácil colocação.

A dica é fazer a recarga em casa e em atividade de descanso como, por exemplo, assistindo televisão. Como nas delegacias, todos tiram fotografias de frente e de ambos os lados num painel com medidas da altura. As fotos são lançadas no sistema de informações da polícia.

O monitorado também assina um termo sobre a responsabilidade de cuidar do equipamento, que custa, em média, R$ 2 mil, e é orientado para identificar todas as mudanças de cores. As alterações sinalizam problemas, o verde intermitente indica problema no GPS; azul, de GRPS (outro sistema de monitoramento); vermelho é tentativa de rompimento; e roxo alerta que entre em contato com a central.

Num monitor, há controle dia e noite das 120 tornozeleiras instaladas na unidade de Campo Grande. No mapa, a maioria dos pontos se concentram na Capital, mas também há pessoas no interior e fora do Estado, com pontinhos piscando no Rio Grande do Sul, São Paulo e Maranhão.

Conforme o diretor da Unidade Mista de Monitoramento Virtual, Amilton Caetano da Rocha, o raio de circulação de cada pessoa é determinado pela Justiça. No mapa, a parte vermelha é área de exclusão, em que a pessoa não pode entrar, os trechos em verde são área de inclusão, que limita a zona da qual o monitorado não pode sair.

Segundo ele, a cada 30 segundos a tornozeleira informa a localização. Com sistema de defesa, o dispositivo informa se sofre impacto, o que pode ser oriundo de uma batida ou tentativa de romper o lacre, quando está com pouca bateria.

A tornozeleira informa até a velocidade em que a pessoa se desloca, indicando se está a pé ou num veículo. “Ele pode estar em qualquer cidade do País que vai ter a informação online”, diz.

Perfil – Dos 120 monitorados, 73 são por violência doméstica e 47 por decisões de outras varas criminais. Do total, 17 são mulheres, sendo a maioria denunciada por crime de tráfico de drogas. Conforme a decisão da Justiça, há situações em que a pessoa não pode sair de casa. Caso a pessoa não tenha residência fixa, como num dos monitorados, o limite de circulação foi toda a cidade. O tempo máximo de uso é de 180 dias.

“A maioria dessas pessoas não está condenada. E com isso determina os 180 dias para que o Judiciário julgue o mais rápido possível”, explica. O período foi regulamentado pelo TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) em janeiro de 2017. A exceção é para os monitorados antes da regulamentação e há pessoa há mais de um ano com os passos controlado pela tornozeleira.

Tornozeleira eletrônica informa localização a cada 30 segundos. (Foto: Alcides Neto)
Por: Aline dos Santos / CG News

Veja Também

Agentes penitenciários federais de Campo Grande pedem mais segurança no trabalho

Uma grupo de 100 agentes penitenciários federais de Campo Grande fizeram uma manifestação na frente ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *