quinta-feira , 18 Janeiro 2018
Home / Mundo / França alcança nível histórico de solicitações de asilo em 2017

França alcança nível histórico de solicitações de asilo em 2017

Mulher empura carrinho de bebê em campo de refugiados em Calais, na França, em imagem de arquivo (Foto: DENIS CHARLET / AFP)

A França registou um pouco mais de 100 mil pedidos de asilo em 2017, um nível “histórico”, indicou à AFP Pascal Brice, diretor-geral do Escritório Francês para a Proteção de Refugiados e Apátridas (OFPRA).

As solicitações de asilo aumentaram 17% em 2017, atingindo 100.412 pedidos. Em 2016, foi registrado um aumento de 6,5%.

Trata-se de uma alta importante, embora não se possa falar de influxo maciço, apontou Brice, para quem esses números “confirmam que a França é um dos primeiros países em termos de pedidos de asilo na Europa”, atrás da Alemanha, que poderia atingir um pouco menos de 200 mil aplicativos este ano.

A título de comparação, a França recebeu um pouco menos de 20 mil pedidos em 1981, o primeiro ano com números disponíveis da OFPRA.

Os cidadãos da Albânia representam o primeiro grupo de requerentes de asilo na França, com 7.630 pedidos no ano passado (+66%), embora este país figure na lista de países seguros.

Este fenômeno cíclico e ligado a uma emigração econômica, de acordo com Brice, preocupa as autoridades francesas e albanesas, que lançaram há alguns meses um plano de ação para eliminar as redes de imigração ilegal.

O próximo na lista é o Afeganistão (5.987 solicitações, +6%), Haiti (estável em 4.934), Sudão (-24%, 4.486) e Guiné (3.780, + 62%).

Apesar de uma alta taxa de resposta positiva (95%), os sírios, que geralmente chegam ao país europeu graças a programas de deslocalização, apresentaram menos pedidos de asilo para a França no ano passado, o que representou uma queda de 10% (3.249).

“Os períodos de espera caíram cerca de três meses”, disse Brice, que afirmou que a OFPRA “tem multiplicado os esforços para alcançar o objetivo de dois meses em 2018”, estabelecido pelo presidente da França, Emmanuel Macron, “para respeitar os direitos de cada candidato”.

Por France Presse

Veja Também

Como a polícia libertou 13 irmãos mantidos em cativeiro pelos pais na própria casa nos EUA

Fotos repletas de sorrisos em uma festa de casamento, em comemorações de Natal e em ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *