sexta-feira , 21 julho 2017
Home / Campo Grande / Norma não impede Uber, diz Prefeitura em ação que tenta barrar decreto

Norma não impede Uber, diz Prefeitura em ação que tenta barrar decreto

Serviço de Uber em Campo Grande. (Foto: André Bittar/Arquivo)

 

Defendendo a permanência do decreto que instituiu o serviço de carona, como o Uber, a Prefeitura de Campo Grande se manifestou na ação do MPE (Ministério Público Estadual) que pede a derrubada da regra.

“Em nenhum momento o município impede o desenvolvimento de qualquer atividade econômica. A função do Decreto é apenas regulamentar e estabelecer parâmetros para o desenvolvimento das atividades”, disse o município à Justiça.

Na ação, o Ministério Público argumenta que o decreto municipal contraria a Lei de Mobilidade Urbana que, conforme os autos, não definiu o transporte privado como sendo de utilidade pública “e muito menos como dependente de autorização estatal”.

Além de dizer que a regra não é ilegal, a prefeitura lembra em sua manifestação que o próprio MPE (autor da ação) participou das seis reuniões que antecederam a criação do decreto, que ajudaram a compor as normas.

“O próprio Parquet participou das tratativas com os representantes do Poder Público, e da sociedade, além dos sindicatos interessados, o que garantiu a legitimidade ao processo que culminou com a expedição do Decreto Municipal”.

As reuniões a que a prefeitura se refere fazem parte da comissão criada para tratar do assunto. É que antes, no início do ano, foi apresentado um decreto que desagradou todo mundo e sem prazo para qualquer regulamentação por parte dos motoristas.

Depois de muita reclamação, a antiga norma foi revogada e o grupo para discutir com os interessados, como motoristas de Uber e de táxi, criado. A nova regra foi oficializada em 16 de maio deste ano.

Prazo quase no fim – Com a proximidade do término do período para regularização, o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), disse que a fiscalização “será rígida”, assim como é com os taxistas.

Nas ruas, a maioria dos motorista ainda não se cadastrou, conforme prevê o decreto. “Quem tem de tomar cuidado com o prazo são eles. Assim que começar a valer, começaremos a fiscalização”.

No decreto, a prefeitura deu prazo de 120 dias para que os motoristas se adéquem às regras, enquanto as operadoras, como a Uber, 60 dias para regularização.

Por: Mayara Bueno e Yarima Mecchi / CG News

Veja Também

Agentes penitenciários federais de Campo Grande pedem mais segurança no trabalho

Uma grupo de 100 agentes penitenciários federais de Campo Grande fizeram uma manifestação na frente ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *