sexta-feira , 21 julho 2017
Home / Mundo / Políticos e grupos de direitos humanos lamentaram a morte do Nobel da Paz Liu Xiaobo

Políticos e grupos de direitos humanos lamentaram a morte do Nobel da Paz Liu Xiaobo

Políticos estrangeiros e grupos internacionais de direitos humanos lamentam nesta quinta-feira (13) a morte de Liu Xiaobo, dissidente chinês e Nobel da Paz.

Xiaobo, de 61 anos, morreu nesta quinta em um hospital no nordeste da China, após recentemente deixar a prisão para ser internado por um câncer de fígado terminal, sem o direito de recorrer a um tratamento médico fora do país, apesar das ofertas de EUA e Alemanha. Ele estava preso desde 2009, quando fora condenado por “subversão”.

Dois médicos estrangeiros, Markus Büchler, da Clínica Universitária de Heidelberg (Alemanha), e seu colega Joseph M. Herman, do Hospital M.Sr. Anderson de Houston (EUA), puderam visitar no final de semana passado o dissidente no hospital de Shenyang e confirmaram o diagnóstico de câncer de fígado em fase terminal. Mas, diferentemente de seus colegas chineses, Büchler e Herman chegaram à conclusão de que Liu estava em condições de viajar.

EUA

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, lamentou a “trágica morte” do intelectual, e pediu ao governo da China liberdade à sua viúva, Liu Xia, da pena de prisão domiciliar para que possa “deixar a China”.

“Hoje me uno àqueles na China e no mundo todo que choram a trágica morte do prêmio Nobel da Paz em 2010, Liu Xiaobo, que faleceu enquanto cumpria uma longa sentença de prisão na China por promover reformas democráticas pacíficas”, disse Tillerson em um comunicado.

Xiaobo “dedicou sua vida a melhorar seu país e a humanidade, e à busca da paz e da liberdade”, afirmou o chefe da diplomacia americana.

França

O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, também expressou sua “profunda tristeza” pela morte de Xiaobo e pediu liberdade de circulação para seus entes próximos. Em um comunicado, Le Drian citou o compromisso “pacífico em defesa das liberdades, dos direitos humanos e da democracia” de Liu.

“Expressei a todos os seus familiares e amigos as minhas condolências” e a França, que pediu em várias ocasiões a liberdade de Liu, deseja que Pequim “garanta a liberdade de circulação à sua esposa, Liu Xia, à sua família e seus próximos”, indicou.

O ministro acrescentou que “a defesa dos direitos humanos é uma prioridade para a diplomacia francesa no mundo todo” e, afirmou que Xiaobo “não parou de defender com coragem os direitos fundamentais e em particular a liberdade de expressão”. Sua resistência “será uma herança para as gerações futuras”, considerou Le Drian.

Alemanha

O ministro alemão de Justiça, Heiko Maas, qualificou o dissidente chinês de “herói da democracia”. “A sua resistência não violenta o transformou em um herói da luta pela democracia e os direitos humanos”, aponta Maas, do Partido Social-Democrata (SPD), na sua conta da rede social Twitter.

A chancelar alemã Angela Merkel descreveu Liu Xiaobo como um “lutador corajoso em defesa dos direitos civis e da liberdade de expressão” e transmitiu à família do ativista suas “sinceras condolências”, segundo informa a rede Deutsche Welle.

Human Rights Watch

A organização Human Rights Watch (HRW) criticou a “crueldade” demonstrada pelo governo chinês por causa da morte de Liu Xiaobo. “A última vez que um Nobel da Paz morreu sob custódia estatal foi em 1938, quando o pacifista Carl von Ossietzky morreu de tuberculose enquanto estava à disposição das autoridades em um hospital da Alemanha nazista”, afirmou HRW em um comunicado.

A morte de Liu Xiaobo “revela a crueldade do governo da China com os defensores pacíficos dos direitos humanos e da democracia”, disse a organização sediada em Nova York. “Inclusive quando a doença de Liu Xiaobo se agravou, o governo chinês continuou a isolar o paciente e sua família, e o negou a possibilidade de escolher livremente o tratamento medicinal médico”, afirmou a diretora da organização para a China, Sophie Richardson.

“Ainda que o governo chinês tenha atuado com arrogância, crueldade e insensibilidade estremecedoras, a luta de Liu por uma China democrática onde os direitos sejam respeitados seguirá viva”, acrescentou.

Anistia internacional

O secretário-geral da Anistia internacional, Salil Shetty, disse que “durante sua vida Xiabo demonstrou uma determinação imbalável para falar a verdade ao poder, com total conhecimento do custo pessoal que ele poderia pagar”. Também criticou a postura do governo chinês no caso. “Em vez de aproveitar a oportunidade para demonstrar sua adesão professada ao Estado de Direito, as autoridades, envergonhadas, se envolveram em um esforço total para impor um apagão de informações em seu caso”, diz..

“Depois que ele foi transferido para um hospital com um câncer em estado terminal é que o governo realmente mostrou sua crueldade e vingança, efetivamenteapressando sua morte ao negar a ele o desejo de receber tratamento no exterior”, acrescenta.

Comitê Nobel

O comitê Nobel, também reagiu à notícia, dizendo que a China tem uma “grande responsabilidade” na morte “prematura” de Liu Xiabo ao privá-lo de cuidados médicos adaptados.

“Consideramos profundamente perturbador que Liu Xiaobo não foi transferido a um estabelecimento onde poderia ter recebido um tratamento médico adequado antes que sua doença entrasse em estágio terminal”, declarou a presidente do comitê, Berit Reiss-Andersen.

Por G1

Veja Também

Casal sumido há 75 anos é encontrado congelado lado a lado na neve dos Alpes

  Marcelin e Francine Dumoulin viviam na comuna de Chandolin, em Valais, na Suíça , ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *