quinta-feira , 26 maio 2016
Home / Campo Grande / Professores municipais de Campo Grande rejeitam proposta de reajuste salarial de 8%

Professores municipais de Campo Grande rejeitam proposta de reajuste salarial de 8%

 

Os professores da Reme (Rede Municipal de Ensino) não aceitaram a proposta de reajuste salarial de 8% do prefeito Alcides Bernal (PP) apresentada a eles durante assembleia extraordinária geral da ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública) na manhã desta terça-feira (7). Antes da tomada de decisão, três professores contra e três a favor apresentaram aos demais o porquê deveriam ou não acatar a prerrogativa.

Contrária ao aumento de 8%, a professora de português Evanir Gomes Santos diz que o reajuste não atende os 31% aprovados pela Câmara Municipal no ano passado e aceitar a proposta desvaloriza a classe. “A rejeição da proposta de 8% é o resgate da dignidade dos professores que durante 16 anos trabalharam em senzala”, exclama.

Já a favor, Roseani de Moraes, que ensina Ciências, aponta que Campo Grande está em ascensão econômica e no próximo ano há uma possibilidade de o prefeito fornecer o reajuste além do oferecido este ano. Ela defende que os professores apoiem a prefeitura e acatem o valor ofertado em favor da educação e da qualidade do ensino.

Lei Municipal

No ano passado, os vereadores aprovaram uma lei que equaliza os salários dos professores municipais ao piso nacional, mesmo estes trabalhando 20 horas semanais e não 40 horas como aponta a lei federal.

Foto: Bruno Chaves
Foto: Bruno Chaves

Manisfestações

Apesar de terem parado as atividades escolares hoje para realizar a assembleia extraordinária, os professores não confirmam se vão fazer greve. Na reunião já se discute a possibilidade de manifestações em frente à prefeitura, ainda na data de hoje (7).

 

Por: Mayara Sá e Bruno Chaves / Midiamax

Veja Também

606729861_99149IMG0990g4ss

Empresas rivais se uniam em MS para desviar dinheiro de obras, diz PF

  Como empresas rivais podem se unir? As investigações da Polícia Federal na segunda fase ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *