sábado , 19 setembro 2020
Home / Brasil / A tartaruga pré-histórica do tamanho de um carro que viveu na Amazônia

A tartaruga pré-histórica do tamanho de um carro que viveu na Amazônia


© PA Media A espécie Stupendemys geographicus tinha aproximadamente o tamanho de um carro

Fósseis de uma tartaruga do tamanho de um carro foram descobertos no norte da América do Sul.

Acredita-se que a espécie Stupendemys geographicus tenha vivido na região entre 13 e 7 milhões de anos atrás.

Os fósseis foram encontrados no deserto de Tatacoa, na Colômbia, e na região de Urumaco, na Venezuela.

Os primeiros fósseis da espécie foram descobertos na década de 1970, mas desde então há muitas incógnitas sobre o animal de 4 metros de comprimento.

A tartaruga, que tinha o tamanho e o peso de um carro sedan, vivia em um imenso pântano no norte da América do Sul, antes da formação dos rios Amazonas e Orinoco.

O fóssil mostra que a tartaruga era muito maior que os homens

© PA Media O fóssil mostra que a tartaruga era muito maior que os homens

O macho tinha chifres que apontavam para frente em ambos os lados do casco. E cicatrizes profundas encontradas nos fósseis indicam que estes chifres provavelmente eram usados ​​como lanças para combater adversários.

Os pesquisadores afirmam ter encontrado um casco de 3 metros de comprimento e um osso da mandíbula inferior, que deu a eles mais pistas sobre a alimentação do animal.

Eles acreditam que a tartaruga gigante vivia no fundo de lagos e rios ao lado de crocodilos gigantes — e adotava uma dieta diversificada, à base de pequenos animais, vegetação, frutas e sementes.

Segundo eles, o tamanho avantajado foi crucial para a Stupendemys se defender de outros predadores de grande porte. Um dos fósseis da espécie foi encontrado com um dente de crocodilo gigante cravado nele.

Um dos fósseis foi encontrado pelos paleontologistas na região de Urumaco, na Venezuela

© Reuters Um dos fósseis foi encontrado pelos paleontologistas na região de Urumaco, na Venezuela

Fonte: MSN

Veja Também

Incêndios atingem Pantanal e Parques do Xingu e de Chapada dos Guimarães em Mato Grosso

Mato Grosso já tem mais de 24 mil focos de calor neste ano, segundo o ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.