sexta-feira , 15 novembro 2019
Home / Materia de Nossos Leitores / Alteração na Lei Maria da Penha? Saiba mais

Alteração na Lei Maria da Penha? Saiba mais

A Lei Maria da Penha (11.340/06) foi um marco na luta contra a violência doméstica, no entanto, muita coisa deve ser feita para coibir esse tipo de prática. Com o intuito de trazer mais conforto às vítimas de violência doméstica e minimizar os traumas causados por essa experiência, o deputado Luiz Lima (PSL/RJ) levou à Câmara de Deputados o Projeto de Lei 510/2019.

O projeto de lei busca alterar a própria Lei Maria da Penha, instituindo um artigo que permite à mulher vítima de violência ter seu divórcio ou dissolução de união estável decretado imediatamente, se assim ela solicitar, nos casos de violência descritos pela própria Lei Maria da Penha, sendo:

1. Violência Patrimonial: Qualquer comportamento que configure controle forçado, destruição ou subtração de bens materiais, documentos e instrumentos de trabalho.

2. Violência Sexual: Atos que forcem ou constranjam a mulher a ver, continuar ou participar de relações sexuais não desejadas.

3. Violência Física: Entendida por maneiras de agir que violem a integridade, os preceitos ou a saúde da mulher.

4. Violência Moral: Qualquer conduta que represente calúnia, injúria e/ou difamação.

5. Violência Psicológica: Todo e qualquer comportamento que cause a mulher um dano emocional, causando constrangimentos e humilhações, diminuindo sua autoestima.

Além disso, de acordo com o texto, as questões inerentes ao divórcio, como divisão de bens, guarda e pensão para os filhos, também devem ser resolvidas imediatamente.

O projeto de lei foi discutido em caráter conclusivo – regime no qual o texto da lei não é levado ao plenário, apenas discutido pelas comissões especializadas designadas para isso -, aprovado e está tramitando no Senado, além de estar disponível para consulta pública.

Na justificativa para o projeto, o deputado Luiz Lima diz que é preciso facilitar o encerramento de forma definitiva dos vínculos entre a mulher e o agressor e que esta é uma medida que pode minimizar os efeitos negativos da convivência com o agressor durante um processo de divórcio ou dissolução de união estável.

VLV Advogados – Escritório de Advocacia Valença, Lopes e Vasconcelos.

Veja Também

Guarda compartilhada de recém-nascido: é possível?

Entende-se por guarda o instituto por meio do qual os pais que não vivem mais ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.