Home / Mato Grosso do Sul / Após ameaças, comércio fecha durante velório de líder de facção morto em MS

Após ameaças, comércio fecha durante velório de líder de facção morto em MS

Depois que criminosos ameaçaram reagir a qualquer sinal de “desrespeito” à memória do “Veinho”, como era conhecido Zé de Lessa, o comércio da cidade de Mulungu do Morro, na Bahia, permaneceu fechado neste sábado (07), durante o velório do traficante, morto na última quarta-feira (4) em chácara entre as cidades de Aral Moreira e Coronel Sapucaia.

José Francisco Lumes, o Zé de Lessa foi um dos cinco assaltantes mortos pela polícia após tentarem assaltar um carro-forte da empresa Brink’s, na fronteira com o Paraguai, na última segunda-feira (02). Zé da Lessa era um dos criminosos mais procurados do nordeste, apontado como líder da facção Bonde do Maluco. Desde a chegada do corpo na casa da mãe, que ainda mora no município os comerciantes e feirantes deixaram de abrir seus comércios.

Muitos moradores também preferiram ficar em casa para evitar qualquer reação violenta de integrantes do bando. Em áudios transmitidos por mensagens, criminosos ameaçaram reagir a qualquer sinal de “desrespeito” à memória do chefe do grupo. Nenhum esquema especial de segurança para o velório, ainda conforme o jornal local Correio 24 horas.

Desde a morte do criminoso, pelo menos oito festas foram canceladas, depois que áudios supostamente gravados por comparsas foram transmitidos. O corpo de Zé da Lessa foi levado de avião até Salvador, segundo o coordenador regional de Polícia Civil de Seabra, Marcus Araújo, e depois seguiu, por estrada, até Mulungu.

Zé de Lessa nasceu num povoado conhecido como Recife, em Carfanaum, também na região da Chapada. A previsão era de que o corpo do criminoso seria enterrado na tarde deste sábado (7).

Assalto em MS

O carro forte seguia pelo trecho entre Caarapó e Amambai, quando foi surpreendido pelos assaltantes que estavam em um Jeep Renegade. Eles emparelharam com o blindado e começaram a disparar tiros de fuzis calibres 5.56 e 7.62. Os assaltantes ultrapassaram o carro-forte, fecharam o blindado e começaram a atirar nos pneus. Para desviar, o motorista saiu da pista e parou o carro-forte perto de uma lavoura de soja.

Fonte: Ponta Porã / Campo Grande News

Veja Também

Marquinhos bate o martelo: comércio reabre só dia 6, e com plano de segurança

Crédito: Reprodução O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD) declarou que o comércio não ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.