terça-feira , 21 janeiro 2020
Home / Mundo / China anuncia que também vai elevar tarifas sobre produtos dos EUA

China anuncia que também vai elevar tarifas sobre produtos dos EUA

A China anunciou nesta segunda-feira (13) que planeja impor tarifas sobre US$ 60 bilhões em produtos dos Estados Unidos, depois que os EUA intensificaram a guerra comercial na semana passada, com uma elevação das tarifas em vigor sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses.

O Ministério das Finanças da China informou que 5.140 produtos norte-americanos ficarão sujeitos a várias taxas a partir de 1º de junho. Segundo a agência Reuters, uma nova tarifa de 25% será cobrada sobre 2.493 produtos, incluindo gás natural liquefeito, e uma tarifa de 20% será cobrada sobre outros 1.078 produtos.

Pequim já tinha estabelecido taxas adicionais de 5% e 10% para 5.207 produtos norte-americanos no valor de US$ 60 bilhões em setembro, e alertou na época que responderia a qualquer tarifa mais alta imposta por Washington aos produtos chineses.

“O ajuste da China nas tarifas adicionais é uma resposta ao unilateralismo e ao protecionismo dos EUA”, disse o ministério. “A China espera que os EUA voltem ao caminho certo do comércio bilateral e das consultas econômicas e se encontrem com a China com um meio-termo.”

Retaliação vem após EUA elevar tarifas

A tensão comercial entre as duas maiores economias do mundo se intensificou na sexta-feira, com os Estados Unidos elevando as tarifas, de 10% para 25%, sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses.

O presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou a imposição de novas tarifas, dizendo que a China “quebrou o acordo” ao voltar atrás de alguns compromissos anteriores assumidos durante meses de negociações. A China negou as acusações.

Antes do anúncio de Pequim desta segunda, Trump havia aconselhado a China a não fazer retaliações, considerando que uma escalada da guerra comercial entre Pequim e Washington “só piorará as coisas”.

“A China se aproveitou dos Estados Unidos por tantos anos que está muito à frente (nossos presidentes não fizeram o trabalho.) Portanto, a China não deve retaliar, isso só vai piorar as coisas!”, tuitou o presidente.

Mais cedo, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, disse em entrevista à imprensa que a China nunca vai se render a pressões externa. “Dissemos muitas vezes que acrescentar tarifas não vai resolver qualquer problema. A China nunca vai se render à pressão externa. Temos a confiança e a capacidade de proteger nossos direitos legítimos e legais”, afirmou.

Reação dos mercados

A elevação da tensão comercial entre os dois países reverberaram através dos mercados financeiros globais. As principais bolsas do mundo operam em queda nesta segunda.

“Cada aumento nas tarifas é um entrave para a economia global e se arrastar a economia para baixo, vai arrastar os ganhos para baixo, então as acções vão reagir a isso”, disse Art Hogan, estratega-chefe de mercado da National Securities em Nova York.

Com a disputa comercial a estender-se, os investidores esperam que as tarifas aumentem os custos corporativos, diminuam as margens de lucro e dificultem a capacidade das empresas de planear ou fazer despesas de capital.

Guerra comercial

Há anos, os EUA reclamam que a China gera ao país um considerável déficit comercial (que é a diferença do volume exportado entre os dois países). Trump alega que o país asiático rouba propriedade intelectual, especialmente no setor de tecnologia, além de violar segredos comerciais das empresas americanas, gerando uma concorrência desleal com o resto do mundo.

Por isso, o combate aos produtos “made in China” é uma bandeira de campanha de Trump, que recebeu o apoio de vários países.

A meta do governo Trump era reduzir em pelo menos US$ 100 bilhões o rombo com a China. Só que há controvérsia até no cálculo do tamanho buraco: nas contas de Trump, é de US$ 500 bilhões; nas da China, é de US$ 275,8 bilhões; enquanto dados oficiais dos EUA apontam ser de US$ 375 bilhões ao ano.

Washington apela por uma redução de seu enorme déficit comercial com a China, com “mudanças estruturais” como o fim da transferência de tecnologia forçada, proteção da propriedade intelectual nos EUA e fim dos subsídios chineses para empresas estatais.

Por G1

Veja Também

China tem novos casos após 2ª morte em surto de coronavírus

Autoridades sanitárias da China confirmaram neste sábado (18) quatro novos casos da misteriosa pneumonia viral ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.