terça-feira , 19 novembro 2019
Home / Tecnologia / Ciência / Cientistas identificam segunda mutação genética resistente ao HIV

Cientistas identificam segunda mutação genética resistente ao HIV


Imagem de microscópio eletrônico disponibilizada pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas mostra uma célula T H9, azul, infectada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), amarelo Foto: AFP

Uma mutação genética rara, responsável por uma doença muscular que afeta uma centena de pessoas, permite uma imunidade natural contra o vírus da Aids , revelam nesta quinta-feira pesquisadores espanhóis que esperam ter descoberto uma pista para novos medicamentos anti-HIV.

Até o momento se conhecia uma rara mutação do gene CCR5, verificada no transplante de medula do chamado “paciente de Berlim”, Timothy Brown, que se livrou do HIV com uma imunidade “natural” adquirida com o procedimento.

A nova mutação afeta outro gene, conhecido como Transportina 3 (TNPO3), que é ainda mais raro e foi identificado em uma família da Espanha afetada por uma rara doença, a distrofia muscular de cinturas do tipo 1F.

Os médicos se deram conta de que os pesquisadores dedicados ao HIV estudavam o mesmo gene, que desempenha um papel de transporte do vírus para o interior das células.

Após entrar em contato com genetistas de Madri, os médicos tiveram a ideia de tentar infectar em laboratório amostras de sangue desta família espanhola com o HIV.

A experiência teve um resultado surpreendente. Os linfócitos dos que padecem desta doença muscular apresentam uma resistência natural contra o HIV; e o vírus não consegue infectá-los.

“Isto nos ajuda a entender muito melhor o transporte do vírus na célula”, explicou José Alcami, virologista do Instituto de Saúde Carlos III de Madri, que liderou a pesquisa, publicada na revista americana PLOS Pathogens.

O HIV é seguramente o vírus melhor conhecido de todos, “mas ainda há muitas coisas sobre ele que não sabemos”. “Por exemplo, não sabemos por que motivo 5% dos pacientes infectados não desenvolvem a Aids . Há mecanismos de resistência à infecção que entendemos muito mal”, disse Alcami.

O caminho ainda é longo até se chegar a um novo medicamento, mas a descoberta desta resistência natural confirma que o gene TNPO3 é outra meta interessante para o combate ao vírus da Aids.

Fonte: O Globo

Veja Também

WhatsApp processa empresa criadora de ferramentas hacker

O WhatsApp está processando a NSO Group, empresa israelense que desenvolve ferramentas hacker para invasões de sistemas, ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.