Home / Mato Grosso do Sul / Em 6 dias, aldeias de MS registraram mais de 150 novos casos de Covid-19

Em 6 dias, aldeias de MS registraram mais de 150 novos casos de Covid-19

Aldeia Jaguapiru. (Foto: Divulgação)

Nos últimos seis dias, 158 indígenas foram infectados por coronavírus em Mato Grosso do Sul. Além disto, dos 34 Dseis (Distritos Sanitários Especiais Indígenas) brasileiros, MS é o com maior número de casos de coronavírus nas aldeias.

De acordo com a Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), 3.894 indígenas sul-mato-grossenses contraíram Covid-19 até esta quinta-feira (14). Destes, 90 permanecem infectados pelo vírus.

Outros 10 casos aguardam resultado dos exames e seguem como suspeitos. Conforme o boletim da Sesai, 78 indígenas de MS faleceram devido ao coronavírus.

Entretanto, levantamento da Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) apontam que MS possui 100 mortes nos povos indígenas. Assim, o estado é o terceiro do país com maior concentração de vítimas da Covid-19 nas aldeias.

Demissões na Saúde indígena

Mesmo com aumento de casos de coronavírus no Estado, inclusive nos povos indígenas, profissionais de Saúde foram demitidos. Ao todo, 17 profissionais que atendem indígenas de Dourados, a 229 km de Campo Grande, foram desligados das atividades.

O caso foi exposto após denúncia do Apib, em 5 de janeiro. Em publicação, foi lembrado que o Polo Base de Dourados registrou os primeiros casos de coronavírus entre povos Guarani e Kaiowá. Além disto, a região também teve os primeiros óbitos desta população.

De acordo com a Articulação, este é “um caso de racismo institucional, pois os profissionais demitidos são, principalmente, indígenas que atuam na saúde indígena”. Entre os desligados, está a enfermeira Indianara Kaiowá, que era coordenadora técnica do Polo Base.

Por: Dândara Genelhú / Midiamax

Veja Também

Adolescente que foi morto ao tentar assaltar PM tinha 40 passagens pela polícia

Suspeito que aparece em câmeras de segurança no dia em que a motocicleta foi furtada ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.