Home / Mato Grosso do Sul / Em depoimento, marido mantém versão de traição para degola de mulher grávida

Em depoimento, marido mantém versão de traição para degola de mulher grávida

Jacqueline tinha 22 anos, estava grávida de oito meses e foi morta degolada pelo marido, Edielson. (Foto: Arquivo Pessoal)
CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Já está no presídio, em Sergipe, Edielson Santos Vidal, de 31 anos, que confessou ter matado a esposa campo-grandense Jacqueline da Costa Melo, de 22 anos. Grávida de oito meses, a jovem foi degolada por Edielson. O bebê também não resistiu.

Edielson manteve a versão de que matou porque foi traído, e segundo o delegado que investiga o caso, André Baronto, da DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), não demonstrou arrependimento durante o interrogatório.

A Justiça decretou a prisão preventiva de Edielson, ele já havia sido preso em flagrante pelo crime. O caso chocou a cidade de Aracaju, capital de Sergipe, pela crueldade e frieza.

O casal morava há 10 dias na casa em que o crime aconteceu, na Travessa Santa Cecília, no Robalo, Zona de Expansão de Aracaju. Os vizinhos alertaram a polícia, após ouvirem os gritos da jovem durante a madrugada desta quinta-feira (19). Quando a Polícia Militar chegou ao local, encontrou Jackeline sem vida. Equipe do Samu chegou a ser acionada, mas não teve como salvar mãe e bebê.

Depois de degolar a mulher, Edielson saiu de casa, mas voltou horas depois e acabou preso em flagrante. Aos policiais, ele confessou o crime e afirmou ter matado a mulher grávida, porque foi traído por ela.

Homem está preso pela morte da mulher. (Foto: Reprodução)
Família – O tio de Jacqueline viajou de Campo Grande até Aracaju para liberar o corpo e autorizar a cremação. Tia da jovem, Luciara Melo, de 44 anos, conta que a morte brutal deixou a família sem condições emocionais de encarar o caso e a viagem.

“Ninguém estava em condição de chegar lá, reconhecer corpo, liberar. Pedi para que meu marido fosse, porque neste momento, ele era o mais racional para esta difícil missão”, explica Luciara.

Abalada, a família diz que até agora não consegue assimilar o que aconteceu, e o alívio vem pela prisão de Edielson. “Ele está preso, isso traz uma sensação de alívio, a gente sabe que a justiça está sendo feita, até porque, se esse cara respondesse em liberdade, ele iria fugir. A única forma de aplacar, de você sentir um certo consolo, é saber que ele vai pagar pelo que fez”, resume a tia.

Por Paula Maciulevicius Brasil – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Veja Também

Por queda no consumo, 267,4 mil contas de energia receberam desconto neste mês

Foto: Arquivo/Marcos Maluf Programa criado pelo Governo Federal para incentivar a redução no consumo de ...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.