Home / Campo Grande / Empresários do transporte escolar fazem protesto na avenida Afonso Pena

Empresários do transporte escolar fazem protesto na avenida Afonso Pena

Veículos foram estacionados nos altos da Avenida Afonso Pena, em Campo Grande
(Foto: Marcos Maluf)
CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Empresários do transporte escolar e do setor de turismo fazem mobilização na avenida Afonso, em protesto diante da situação da categoria nesta pandemia. Cerca de 100 veículos concentram-se na via e preparam-se para carreata que irá percorrer Parque dos Poderes e parar na prefeitura.

Os manifestantes pedem o cumprimento da antecipação de parcelas dos contratos, deferido pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado), mas que não teria sido cumprido pela maioria das prefeituras. Em agosto deste ano, o tribunal autorizou o repasse, como forma de auxílio aos donos de vans escolares, que estão sem trabalho desde que a pandemia suspendeu as aulas.

Categoria pede isenção de parcelas e antecipação de contratos (Foto: Marcos Maluf)

O presidente do Sinte-MS (Sindicato dos Condutores Escolares de MS), Rodrigo Aranda Armôa, diz que poucas prefeituras, como de Água Clara ou Alcinópolis fizeram a antecipação, mas, a maioria das prefeituras indeferiu o repasse do recurso.

O retorno parcial das aulas não atende a categoria. “É triste, porque as particulares, desde início, já vinham se preparando para retorno, mas os municípios e estados não têm plano de retorno, estamos parados há seis meses”, explicou Armôa.

No protesto, segundo Armôa, a categoria pede que as prefeituras ofereçam como alternativa a autorização para transporte urbano de passageiros e, na esfera federal, a suspensão da cobrança das parcelas de financiamento de veículos. Para alcançar esse pedido, os empresários estão fazendo protestos similares em outras capitais do País.

O presidente do Siemte-MS (Sindicato das Empresas do Transporte Rural), Carlos Paulo Campos Luzardo, estima que 30% de 250 empresários em Mato Grosso do Sul tiveram que entregar veículos e sair do ramo, sem condições financeiras.

 “As empresas atuavam de forma regionalizada, eram a única fonte de renda”, explicou Luzardo. Segundo ele, algumas prefeituras fizeram alternativas de auxílio, como em Ponta Porã, Rio Brilhante e Nova Andradina, além do governo de MS, que fez contrato indenizatório. “Mas são poucos”, disse.

De acordo com o Siemte-MS são transportados diariamente cerca de 40 mil estudantes na zona rural do Estado.

Empresários do transporte escolar e de turismo reúnem-se para carreata (Foto: Marcos Maluf) – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Por Silvia Frias – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Veja Também

Cliente encontra corpo estranho em molho de tomate em Campo Grande

Família abriu molho esse fim de semana e teve surpresa, nada agradável | Imagem: Divulgação, ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.