sexta-feira , 10 julho 2020
Home / Mundo / Europeus ameaçam com reciprocidade após Maduro expulsar embaixadora da UE na Venezuela

Europeus ameaçam com reciprocidade após Maduro expulsar embaixadora da UE na Venezuela


Imagem de arquivo mostra chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, cumprimentando o líder da oposição política da Venezuela, Juan Guaidó, antes de uma reunião na sede da UE — Foto: Aris Oikonomou/AP

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, “condenou” nesta terça-feira (30) a expulsão da embaixadora da União Europeia (UE) na Venezuela decretada pelo presidente do país, Nicolás Maduro, e ameaçou com a adoção de medidas de “reciprocidade”.

“Condenamos e rejeitamos a expulsão de nossa embaixadora em Caracas. Adotaremos as medidas necessárias habituais de reciprocidade”, escreveu Borrell em uma rede social, um dia depois de Maduro anunciar o prazo de 72 horas para a saída do país da embaixadora Isabel Brilhante Pedrosa.

A expulsão da embaixadora foi a resposta do governo venezuelano às novas sanções europeias contra 11 venezuelanos, entre eles o deputado Luis Parra e vários funcionários do Tribunal Supremo Eleitoral, por ações contra a oposição liderada por Juan Guaidó.

Trump diz que poderia se encontrar com Nicolás Maduro

Com a decisão, a UE eleva a 36 o número de venezuelanos proibidos de viajar ao bloco e congela seus ativos por considerar que prejudicam a democracia, o Estado de direito e os direitos humanos no país, cenário de uma grave crise política.

Nicolás Maduro, presidente do governo chavista a Venezuela, discursa em Caracas em 18 de junho — Foto: Matias Delacroix/AP Photo, arquivo

Nicolás Maduro, presidente do governo chavista a Venezuela, discursa em Caracas em 18 de junho — Foto: Matias Delacroix/AP Photo, arquivo

Entre os afetados pelas sanções estão funcionários próximos ao presidente, incluindo a vice-presidente Delcy Rodríguez.

Apesar da pressão dos Estados Unidos e da oposição venezuelana, os europeus se recusam a anunciara sanções contra Maduro para manter o diálogo.

“Apenas uma solução negociada entre venezuelanos permitirá ao país sair de sua profunda crise”, afirmou o chefe da diplomacia da UE que, ao lado dos países europeus e latino-americanos, atua para tentar alcançar o objetivo.

A Venezuela se tornou em 2017 o primeiro país latino-americano sancionado pela UE, que também aprovou um embargo de armas. De modo paralelo, o bloco tenta aliviar a crise humanitária no país e a crise de refugiados na região.

Por France Presse

Veja Também

Japão intensifica operações de resgate após inundações devastadoras

Equipes de resgate em Tsunagi, no Japão, em 6 de junho de 2020 — Foto: ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.