quarta-feira , 22 janeiro 2020
Home / Mundo / Forças de segurança turcas intensificam ação no norte da Síria; 60 mil deixaram a região

Forças de segurança turcas intensificam ação no norte da Síria; 60 mil deixaram a região


Mulher síria caminha com seus filhos em meio a bombardeios turcos na cidade de Ras al-Ain, no nordeste da Síria, na quarta-feira (9) — Foto: Delil Souleiman / AFP

As forças turcas intensificaram ataques aéreos e terrestres no nordeste da Síria, nesta quinta-feira (10), no segundo dia da ofensiva militar contra alvos curdos. Mais de 60 mil pessoas deixaram suas casas em menos de um dia.

Regiões próximas à fronteira com a Turquia, especialmente os setores de Tal Abyad e Ras al Ain, foram bombardeadas pela aviação e artilharia turca. De acordo com a BBC, há relatos nesta quinta-feira de sete mortes de civis. O governo turco fala em mais de 100 mortos desde o início da ofensiva.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), que acompanha a guerra na Síria, estima que 60 mil pessoas tenham abandonado suas casas em menos de um dia. Um grande número de moradores das áreas de fronteira de Ras al-Ain, Tal Abyad e Derbasiyeh fugiram de suas casas, principalmente para o leste em direção à cidade de Hasakeh.

Fumaça é vista sobre a cidade síria de Ras al-Ain após bombardeio turco nesta quinta-feira (10)  — Foto: Murad Sezer/ Reuters

Fumaça é vista sobre a cidade síria de Ras al-Ain após bombardeio turco nesta quinta-feira (10) — Foto: Murad Sezer/ Reuters

O governo turco chama a operação de “Fonte de Paz”. Segundo o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, os alvos são a milícia curda Unidades de Proteção do Povo (YPG), acusada de ter vínculo com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), e o Estado Islâmico. Forças lideradas pela YPG foram aliadas dos Estados Unidos no combate ao grupo terrorista durante a guerra na Síria.

A retirada das tropas americanas de posições importantes, como Ras al Ain e Tal Abyad, e o compromisso de não se envolver no confronto evidenciam uma mudança de estratégia por parte dos Estados Unidos, que abandona os curdos – os principais aliados de Washington na luta contra o grupo extremista. A ofensiva faz crescer o temor de que o Estado Islâmico volte a ganhar força na região.

O objetivo da ação, segundo Erdogan, é estabelecer uma “zona de segurança” no nordeste da Síria. Turquia pretende criar uma “zona livre” na fronteira com a Síria, onde se concentram as forças curdas. O governo de Erdogan alega que a milícia curda YPG, presente nessa região, atua de forma terrorista e está por trás de ataques em território turco ligados ao PKK.

Localidades atingidas pela ofensiva turca desta quarta-feira (9) — Foto: G1 Mundo

Localidades atingidas pela ofensiva turca desta quarta-feira (9) — Foto: G1 Mundo

Ameaça de Erdogan

Recep Tayyip Erdogan ameaçou “enviar 3,6 milhões de migrantes” à Europa, em resposta às críticas a sua operação militar.

“União Europeia, volte à razão. Volto a repetir: se vocês tentarem apresentar nossa operação como uma invasão, abriremos as portas e enviaremos a vocês 3,6 milhões de migrantes”, disse Erdogan, em um discurso em Ancara.

Tayyip Erdogan dá discurso ao seu partido em Ancara em 10 de outubro de 2019 — Foto: Murat Kula/Presidência Turquia

Tayyip Erdogan dá discurso ao seu partido em Ancara em 10 de outubro de 2019 — Foto: Murat Kula/Presidência Turquia

Fonte: G1

Veja Também

China tem novos casos após 2ª morte em surto de coronavírus

Autoridades sanitárias da China confirmaram neste sábado (18) quatro novos casos da misteriosa pneumonia viral ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.