Home / Brasil / MP denuncia 8 por tragédia na Kiss, 4 deles por homicídios dolosos

MP denuncia 8 por tragédia na Kiss, 4 deles por homicídios dolosos

 

Incêndio de grandes proporções na Kiss ocorreu na madrugada do dia 27 de janeiro Foto: Daniel Favero / Terra
Incêndio de grandes proporções na Kiss ocorreu na madrugada do dia 27 de janeiro Foto: Daniel Favero / Terra

O Ministério Público do Rio Grande do Sul denunciou nesta terça-feira oito pessoas no caso do incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria (RS). Quatro foram denunciadas por homicídios dolosos duplamente qualificados e tentativas de homicídio, e outras quatro por fraude e falso testemunho. A Promotoria apontou como responsáveis diretos pelas mortes os dois sócios da casa noturna, Mauro Hoffmann e Elissandro Spohr, o Kiko, e dois dos integrantes da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Augusto Bonilha Leão.

Foram denunciados por fraude processual o major Gerson da Rosa Pereira, chefe do Estado Maior do 4º Comando Regional dos Bombeiros, e o sargento Renan Severo Berleze, que atuava no 4º CRB. Por falso testemunho, o MP denunciou o empresário Elton Cristiano Uroda, ex-sócio da Kiss, e o contador Volmir Astor Panzer, da GP Pneus, empresa da família de Elissando – este último não havia sido indiciado pela Polícia Civil,

Os promotores Joel Dutra e Maurício Trevisan anunciaram as denúncias em entrevista coletiva no começo desta tarde, e detalharam que há duas qualificadoras nas acusações de homicídio doloso. Elas dizem respeito ao fato de as mortes terem ocorrido por asfixia – o que configura meio cruel -, e ao fato de que a espuma usada no revestimento da boate não era adequada àquele fim, e sim mais barata – o que configura motivo torpe.

No dia 22 de março, a Polícia Civil havia indiciado criminalmente 16 pessoas pela tragédia na Boate Kiss, mas a Promotoria decidiu denunciar apenas metade delas. O MP pediu o arquivamento dos processos contra três pessoas: Ricardo de Castro Pasche, gerente da boate, Luiz Alberto Carvalho Junior, secretário do Proteção Ambiental de Santa Maria, e Marcus Vinicius Bittencourt Biermann, funcionário da prefeitura de Santa Maria.

Os promotores também pediram que novas diligências sejam realizadas para investigar mais profundamente o envolvimento de outras quatro pessoas que haviam sido indiciadas. São elas Miguel Caetano Passini, secretário municipal de Mobilidade Urbana; Belloyannes Orengo Júnior, chefe da Fiscalização da secretaria de Mobilidade Urbana; Ângela Aurelia Callegaro, irmã de Kiko; e Marlene Teresinha Callegaro, mãe dele – as duas fazem parte da sociedade da casa noturna.

Vereadores anteciparam reunião da CPI que apura o incêndio na Boate Kiss, e frustraram os integrantes da Associação de Familiares das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia em Santa Maria Foto: Luiz Roese / Especial para Terra
Vereadores anteciparam reunião da CPI que apura o incêndio na Boate Kiss, e frustraram os integrantes da Associação de Familiares das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia em Santa Maria
Foto: Luiz Roese / Especial para Terra

Incêndio na Boate Kiss

Na madrugada do dia 27 de janeiro, um incêndio deixou 241 mortos em Santa Maria (RS). O fogo na Boate Kiss começou por volta das 2h30, quando um integrante da banda que fazia show na festa universitária lançou um artefato pirotécnico, que atingiu a espuma altamente inflamável do teto da boate.

Com apenas uma porta de entrada e saída disponível, os jovens tiveram dificuldade para deixar o local. Muitos foram pisoteados. A maioria dos mortos foi asfixiada pela fumaça tóxica, contendo cianeto, liberada pela queima da espuma.

Os mortos foram velados no Centro Desportivo Municipal, e a prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias. A presidente Dilma Rousseff interrompeu uma viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde prestou solidariedade aos parentes dos mortos.

Os feridos graves foram divididos em hospitais de Santa Maria e da região metropolitana de Porto Alegre, para onde foram levados com apoio de helicópteros da FAB (Força Aérea Brasileira). O Ministério da Saúde, com apoio dos governos estadual e municipais, criou uma grande operação de atendimento às vítimas. ​

Quatro pessoas foram presas temporariamente – dois sócios da boate, Elissandro Callegaro Spohr, conhecido como Kiko, e Mauro Hoffmann, e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira, Luciano Augusto Bonilha Leão e Marcelo de Jesus dos Santos. Enquanto a Polícia Civil investiga documentos e alvarás, a prefeitura e o Corpo de Bombeiros divergem sobre a responsabilidade de fiscalização da casa noturna.

A tragédia fez com que várias cidades do País realizassem varreduras em boates contra falhas de segurança, e vários estabelecimentos foram fechados. Mais de 20 municípios do Rio Grande do Sul cancelaram a programação de Carnaval devido ao incêndio.

No dia 25 de fevereiro, foi criada a Associação dos Pais e Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia da Boate Kiss em Santa Maria. A intenção é oferecer amparo psicológico a todas as famílias, lutar por ações de fiscalização e mudança de leis, acompanhar o inquérito policial e não deixar a tragédia cair no esquecimento.

Fonte: Terra

Veja Também

Tripulante de navio com variante indiana internado no MA apresenta piora e é intubado

Navio MV Shandong da Zhi trouxe tripulantes infectados pela variante indiana ao Brasil — Foto: ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.