sexta-feira , 24 janeiro 2020
Home / Mato Grosso do Sul / Papéis achados com Name citam compra de liminar em favor de senador

Papéis achados com Name citam compra de liminar em favor de senador


Tribunal de Justiça vai encaminhar informações para instâncias responsáveis, STF, STF e CNJ. (Foto: Arquivo)

A Operação Omertà, desencadeada na semana passada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) tem revelações que vão demandar investigação envolvendo autoridades com foro privilegiado em Mato Grosso do Sul, entre elas um senador e pelo menos três desembargadores. É que documento encontrado numa gaveta do empresário Jamil Name, 80 anos, apontado como chefe de organização criminosa, cita a “compra” de decisão liminar em favor do senador Nelson Trad Filho (PSD/MS) e de outros quatro réus de ação judicial por imbrobidade administrativa, para desbloquear valores sequestrados. O valor negociado, para uma decisão seria de R$ 2 milhões, dos quais R$ 200 mil teriam sido pagos. Os beneficiários seriam o relator do recurso, cujo nome citado é Marcelo Câmara Rasslan, e outros dois integrantes da 2ª Câmara Civil.

O papel encontrado traz, com tópicos entre a letra que começam com 1 e 2, e depois vão de a até a letra g, uma espécie de relatório do que teria sido intermediado. De cara, traz “liminar concedida para desbloqueio de todos os bens” e depois “mérito: manutenção de liminar pelo relator e pelo relator e os outros dois integrantes da 1ª Câmara Civil”. No topo da folha, há um cabeçalho informando que o autor da ação é o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) os réus são Nelson Trad Filho e outras quatro pessoas.

Os tópicos com as letras do alfabeto citam como seria o “combinado”. Diz o texto que o valor em relação à liminar foi de R$ 1 milhão e outro R$ 1 milhão seria pago quando o agravo tivesse a decisão final. Seria feita, conforme descrito, uma cota de R$ 200 mil para cada réu. Haveria, ainda, uma dívida de R$ 1,8 milhão.

Outra decisão – Ainda conforme o texto no papel apreendido, em outra ação com cinco réus, “inclusive um ex-secretário municipal”, havia sido concedida liminar para desbloqueio de bens, pela qual o montante a ser pago era de R$ 250 mil. “Nada foi pago”, diz o trecho. “O relator foi o mesmo desembargador, Marcelo Câmara Rasslan”. Abaixo, o texto traz que, no total, a dívida é de dois milhões e cinquenta mil reais.

O autor do texto diz, ainda, que foi procurado pelo secretário citado num domingo de manhã, “em casa”. Não é possível saber de quem se trata.

As duas ações, no primeiro grau, correm, novamente segundo descrito, na 2ª Vara de Diretos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, a cargo do magistrado David de Oliveira Gomes Filho.

Do que se trata? – Ex-prefeito de Campo Grande, de 2005 a 2012, Nelson Trad Filho é alvo de pelo menos duas dezenas de ações por improbidade. As mais rumorosas envolvem a concessão do contrato para exploração dos resíduos na cidade, vencida pela CG Solurb, da qual o ex-cunhado de Nelsinho, João Amorim, empresário alvo de acusações também na Operação Lama Asfáltica, é apontado como sócio oculto. Uma das ações sobre esse tema determinou bloqueio de R$ 101 milhões em bens dos envolvidos, desbloqueados mas o número de réus não bate com a anotação do papel encontrado.

O relator de fato é Marcelo Rasslan, mas em julho ele manteve o bloqueio, na decisão liminar. O julgamento do mérito está marcado para o dia 29 deste mês. Normalnente, votam três desembargadores, embora a Câmara seja formada por cinco.

Respostas – Como envolvem um senador, cuja investigação precisa ser autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e desembargadores, com instância no Superior Tribunal de Justiça, esse trecho da investigação, que está sob sigilo, foi remetido para providências da Corte pelo juiz que autorizou a Operação, Marcelo Ivo de Oliveira, da 7 Vara Criminal.

Procurado pela reportagem, o senador Nelson Trad Filho respondeu que “jamais participou de qualquer ato ou negociação com qualquer pessoa que seja”. De acordo com nota enviada por ele, “a ilação não faz o menor sentido uma vez que todas as decisões do Desembargador nominado foram – até o presente momento – contrárias aos recursos interpostos”.

O parlamentar afirma ser favorável a abrir qualquer tipo de sigilo, “seja processual, fiscal, telefônico”, para deixar absolutamente claro que não há nenhuma vinculação dele com o fato relacionado.

Para ele, a veiculação tem clara natureza política. “Por isso, tomaremos as medidas jurídicas cabíveis contra essa brutal tentativa de macular a reputação do senador Nelson Trad Filho”.

O magistrado citado está de férias e em viagem, segundo informou a Amamsul (Associação dos Magistrados de MS). “Mas desde já defende a mais ampla apuração dos fatos, já tendo inclusive renunciado aos sigilos fiscal, bancário e telemático perante as autoridades competentes”, informa a associação.

A resposta do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul é de que está “aguardando a apuração dos fatos relacionados à operação Ormetà”. Sobre material divulgado nesta quinta-feira (3), diz o Tribunal, “trata-se de documento apócrifo, que ainda não se sabe a origem”. A apuração dos fatos, respeitados os direitos constitucionais de qualquer cidadão, será feita por órgão competente, termina o texto. Além do STJ, para a apuração criminal, a investigação em relação aos desembargadores também será encaminhada ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça), que pode adotar punições administrativas.

Durante os desdobramentos da operação, também surgiu o nome de um ex-desembargador, Joenildo de Souza Chaves, que já foi presidente do TJ, e teve cheque em nome dele, de R$ 100 mil, encontrado na gaveta de Jamil Name. Ele não se manifestou a respeito.


Folha encontrada em gaveta do quarto de Jamil Name traz citações a senador e desembargador. (Foto: Direto das Ruas)

Por: Marta Ferreira / Campo Grande News

Veja Também

Casal de MS é assassinado e 3 são presos no Mato Grosso

Tinho Lechuva e a esposa Rose Lechuga. (Foto: Direto das Ruas) A Polícia Civil do ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.