terça-feira , 19 novembro 2019
Home / Mundo / Presidente do Chile pede que ministros coloquem cargos à disposição

Presidente do Chile pede que ministros coloquem cargos à disposição


Vista aérea de manifestantes reunidos em Santiago, no Chile, na sexta-feira (25) — Foto: Pedro Ugarte/AFP

O presidente do Chile, Sebastian Piñera, pediu neste sábado (26) que todos os seus ministros coloquem os cargos à disposição. O anúncio foi feito um dia depois de 1 milhão de pessoas irem às ruas na que é descrita pela imprensa local maior manifestação desde o período da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

“Pedi a todos os ministros para colocar seus cargos à disposição para poder estruturar um novo gabinete para poder enfrentar essas novas demandas”, afirmou Piñera no final desta manhã em pronunciamento no Palácio da Moeda, sede do Executivo chileno.

Em seu discurso, Piñera também falou que poderá suspender o estado de emergência em todo o país no domingo (27). “Se as circunstâncias [de segurança] permitirem, irei retirar o estado de emergência a partir das 24 horas deste domingo”, disse.

Presidente do Chile anuncia suspensão do estado de emergência

Presidente do Chile anuncia suspensão do estado de emergência

Esta é a primeira vez desde 1990, quando o Chile voltou à democracia após a ditadura de Augusto Pinochet, que o Exército foi enviado às ruas de Santiago.

Mais 9.500 integrantes das Forças Armadas foram mobilizados para atuar contra os protestos para controlar pontos estratégicos como centrais de abastecimento e estações de metrô, que são alguns dos alvos mais visados pelos manifestantes.

Motivo inicial dos protestos

A onda de protestos começou há cerca de uma semana com atos contra o aumento no preço da passagem do metrô. O reajuste foi suspenso, mas os manifestantes continuaram nas ruas e Piñera chegou a dizer que o Chile “estava em guerra contra um inimigo poderoso, que não respeita a nada e a ninguém”.

O presidente do Chile, Sebástian Piñera, durante coletiva de imprensa em Biarritz, na França, durante o G7, em 26 de agosto — Foto: François Mori/Pool/AFP

O presidente do Chile, Sebástian Piñera, durante coletiva de imprensa em Biarritz, na França, durante o G7, em 26 de agosto — Foto: François Mori/Pool/AFP

Por causa de confrontos entre manifestantes e forças de segurança o presidente chileno, decretou estado de emergência e, a partir de então, as principais cidades chilenas passaram a ter toques de recolher.

Ao menos 19 pessoas morreram desde semana passada devido a incêndios em estabelecimentos, atropelamentos e confrontos com forças de segurança.

As manifestações não têm um líder definido nem uma lista precisa de demandas. Até o momento aparece como uma crítica generalizada a um sistema econômico neoliberal que, por trás do êxito aparente dos índices macroeconômicos, esconde um profundo descontentamento social.

No Chile, o acesso à saúde e à educação é praticamente privado, a desigualdade social é elevada, os valores das pensões estão reduzidos e os preços dos serviços básicos estão em alta.

Manifestação pacífica

Neste sábado (26), após manifestação história com a participação de mais de um milhão de pessoas, os protestos se destacam por seu caráter pacífico. Segundo a imprensa local, autoridades e moradores de Santiago estão realizando uma limpeza nas ruas e os serviços como transporte público e comércio estão se normalizando.

Por G1

Veja Também

Veneza tem estado de alerta por nova maré alta

Turistas na Praça de São Marcos, em Veneza, neste sábado (16) — Foto: Manuel Silvestri/Reuters ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.