sábado , 19 setembro 2020
Home / Campo Grande / Quadrilha de ladrões de banco gastou R$ 1 milhão em “plano de ataque”

Quadrilha de ladrões de banco gastou R$ 1 milhão em “plano de ataque”


Em entrada lateral da agência, delegado João Paulo Sartori e investigadores da Garras conversam com funcionário do Banco do Brasil (Foto: Henrique Kawaminami)

A quadrilha que planejava roubar unidade do Banco do Brasil em Campo Grande já havia gasto R$ 1 milhão na operacionalização do esquema, segundo as apurações iniciais da Garras (Delegacia de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros). O montante foi usado para pagar o aluguel da casa de onde partiu o túnel que já chegava quase debaixo do cofre da agência e de outros imóveis de apoio, as contas de água e luz, a alimentação e o pagamento dos operários para cavar o acesso subterrâneo.

O corredor debaixo da terra, que já tinha cerca de 70 metros de comprimento, começou a ser cavado de uma edícula nos fundos da residência na Rua Minas Gerais, próxima à agência que funciona na Avenida Presidente Castelo Branco, na região do Bairro Coronel Antonino, em Campo Grande.

Na parte da frente deste imóvel ficavam cômodos que eram usados como alojamento e cozinha para os “trabalhadores”. Pelo menos outros cinco casas foram alugadas na cidade para abrigar os integrantes do bando.

Os homens que trabalhavam na escavação –a polícia ainda não divulgou exatamente quantos–, recebiam R$ 2 mil por semana pelo trabalho. Há pelo menos 25 pessoas envolvidas no esquema, apurou o Campo Grande News.

Casa na Rua Minas Gerais, no Bairro Coronel Antonino, era base da quadrilha (Foto: Henrique Kawaminami)
Casa na Rua Minas Gerais, no Bairro Coronel Antonino, era base da quadrilha (Foto: Henrique Kawaminami)
Terra tirada durante a escavação era ensacada (Foto: Henrique Kawaminami)
Terra tirada durante a escavação era ensacada (Foto: Henrique Kawaminami)
Estruturado com madeira, túnel tinha iluminação, ventilação e interfone (Foto: Henrique Kawaminami)

Estruturado com madeira, túnel tinha iluminação, ventilação e interfone (Foto: Henrique Kawaminami)

A ideia da quadrilha era não usar explosivos. Por isso, “no braço” e ajuda de um macaco hidráulico, os operários cavavam cerca de 2 metros de túnel por dia. Foram encontrados cerca de 100 metros cúbicos de terra ensacada na base da organização criminosa.

O túnel foi cavado a 6 metros de profundidade e era equipado com ventiladores, iluminação e interfone para que quem estava na casa se comunicasse com quem estava debaixo da terra.

Mínimos detalhes – Quem participou da investigação destaca o nível de detalhes com que o grupo planejou o crime. A casa da Rua Minas Gerais foi alugada em maio com contrato de 1 ano e o bandidos usaram documentos falsos para fazer a ligação da água e da luz.

No local, policiais encontraram um freezer cheio de água mineral. Os rótulos foram arrancados, na opinião dos investigadores, uma tentativa de evitar o rastreamento da compra e posterior identificação de quem comprou as garrafinhas.

Foram encontrados bloqueadores de celular na residência. A polícia acredita que os equipamentos seriam usados para bloquear o sinal dos chips contidos nos malotes que o grupo pretendia roubar.

Parte da quadrilha foi apresentada no domingo; dois foram mortos (Foto: Divulgação)

Parte da quadrilha foi apresentada no domingo; dois foram mortos (Foto: Divulgação)

Mais da investigação – Para a polícia, o dinheiro levantado para o assalto é produto de outros furtos e roubos. Morto durante a Operação Hórus, desencadeada na madrugada de domingo (22), José William Nunes Pereira da Silva, 48 anos, natural de Caxias (MA), foi preso em novembro de 1998, acusado de participar de roubo a uma agência da Caixa na Rua Augusta, em São Paulo, no dia 17 de outubro daquele ano.

Foram roubados R$ 6 milhões em joias de 5 mil clientes. José foi preso na zona norte da capital paulista. Na casa dele, os policiais encontraram três walkies-talkies, revólver calibre 32 e montante de joia.

A quadrilha era monitorada há 6 meses e aos poucos, a polícia divulga detalhes sobre o assalto planejado para a Capital. O bando, segundo a polícia, tinha integrantes do Nordeste e São Paulo, alguns deles, como José William, são classificados como especialistas em roubos a bancos.

Nada sobre quando seria o roubo e o quanto o grupo pretendia roubar foi divulgado. Os investigadores dizem apenas que a expectativa dos bandidos era conseguir cifra milionária, mas não informam se em dinheiro vivo, joias, ouro ou cheque, por orientação do banco.

A agência em questão é a central que atende Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, responsável pela operacionalização de todas as transações bancárias dos dois Estados.

Por: Anahi Zurutuza e Clayton Neves / Campo Grande News

Veja Também

Aluguel de 1º aplicativo de patinete elétrico da Capital custa R$ 33,20 a hora

Patinetes colocados no Belmar Fidalgo. (Foto: Marcos Maluf) Primeiro serviço de patinete elétrico para mobilidade ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.