quinta-feira , 23 janeiro 2020
Home / Tecnologia / Ciência / Quatro fenômenos astronômicos imperdíveis de 2020

Quatro fenômenos astronômicos imperdíveis de 2020


Eclipse solar de julho de 2019 visto em Coquimbo, Chile. Em dezembro de 2020, haverá um eclipse solar total que poderá ser visto no sul do planeta — Foto: Rodrigo Garrido/Reuters

O ano que passou nos trouxe muitas coisas em assuntos astrofísicos. Tivemos eventos como o grande eclipse solar em julho, que pôde ser vistos na Argentina, Chile e Uruguai.

Os cientistas também nos deram boas notícias sobre o espaço: a publicação, por exemplo, da primeira imagem de um buraco negro, apresentada por um grupo de cientistas da Nasa, graças à colaboração de especialistas em computação como Katie Bouman. E o que haverá no próximo ano?

Graças a avanços tecnológicos, a observação espacial foi facilitada e fenômenos astrofísicos podem ser previstos com mais precisão. O calendário astronômico para 2020 prevê, por exemplo, uma grande atividade lunar. Mas também aponta que teremos que esperar até o final do ano para poder testemunhar um eclipse solar total.

Abaixo, quatro dos fenômenos mais interessantes a serem observados no céu em 2020.

1. Eclipse total do Sol

Teremos que esperar até 14 de dezembro para podermos apreciar o único eclipse solar total de 2020, um evento que ocorre quando a lua bloqueia a passagem da luz solar.

Eclipse solar visto do Observatório de La Silla, no Chile. Em dezembro de 2020, haverá um eclipse solar total que poderá ser visto no sul do planeta — Foto: Martin Bernetti/AFP

Eclipse solar visto do Observatório de La Silla, no Chile. Em dezembro de 2020, haverá um eclipse solar total que poderá ser visto no sul do planeta — Foto: Martin Bernetti/AFP

O fenômeno poderá ser visto sobretudo no hemisfério sul, especialmente em algumas áreas da Nova Zelândia, Chile e Argentina. Também poderá ser visto parcialmente em áreas do Brasil.

Em 2020, também haverá outro eclipse solar; não será total, mas anular, quando a Lua não está tão perto da Terra a ponto de bloquear o disco solar. O eclipse anular de 2020 ocorrerá em 21 de junho.

Eclipse solar total: G1 mostra o antes, o durante e o depois direto do Chile

Eclipse solar total: G1 mostra o antes, o durante e o depois direto do Chile

2. A superlua

O dia 9 de março trará um dos eventos mais marcantes do ano: a superlua. Isso ocorre quando o satélite natural está mais próximo da Terra e coincide com a fase da lua cheia.

A superlua de 2018 é vista perto da estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Em 2020, a superlua poderá ser vista de março a maio, durante as fases da lua cheia — Foto: Ricardo Moraes/Reuters

A superlua de 2018 é vista perto da estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Em 2020, a superlua poderá ser vista de março a maio, durante as fases da lua cheia — Foto: Ricardo Moraes/Reuters

De acordo com os calendários de vários países, o fenômeno pode ser observado pela manhã e durante o pôr do sol. Nesses dias, a Lua parecerá 7% maior e 15% mais brilhante, e muitos observadores não especializados talvez nem percebam a diferença.

Após a superlua de março, o fenômeno será repetido em 7 de abril e 9 de maio. 2016 foi o ano em que a Lua esteve mais próxima da Terra desde 1948 e ela não retornará a essa posição até 2034.

3. As Perseidas

As chuvas de estrelas são, na verdade, chuvas de meteoros vistas em intervalos regulares porque correspondem a momentos em que a Terra passa por rotas de “lixo” espacial.

Jovem observa o céu, com a Via Láctea vista ao fundo, durante chuva de meteoros Perseidas durante a madrugada em Kozjak, na Macedônia — Foto: Ognen Teofilovski/Reuters

Jovem observa o céu, com a Via Láctea vista ao fundo, durante chuva de meteoros Perseidas durante a madrugada em Kozjak, na Macedônia — Foto: Ognen Teofilovski/Reuters

Embora durante o ano ocorram várias chuvas de estrelas (janeiro, abril, maio e junho) e todas valham a pena, talvez as mais impressionantes para os fãs estelares sejam aquelas que ocorrem em agosto e dezembro.

As que ocorrem no oitavo mês do ano foram chamadas de Perseidas ou Lágrimas de São Lourenço (10 de agosto marca o dia de São Lourenço em vários dos países onde o fenômeno pode ser visto).

O espetáculo vêm dos fachos de luz de detritos — rochas deixadas pelo cometa Swift-Tuttle, descoberto em 1860 — entrando em combustão pelo atrito com a atmosfera terrestre.

Os dias mais ativos desse fenômeno serão 12 e 13 de agosto.

4. As Geminídeas

Um dos últimos espetáculos celestes de 2020 será a chuva de estrelas das Geminídeas. Ela ocorre uma vez por ano na Terra, pelo meio de dezembro.

Geminídeas: auge acontece todos os anos no mês de dezembro — Foto: AFP

Geminídeas: auge acontece todos os anos no mês de dezembro — Foto: AFP

Isso porque é neste mês que normalmente nosso planeta, em sua trajetória ao redor do Sol, está cruzando a órbita do asteroide 3200 Faetonte, onde há milhares de pequenas rochas e destroços do asteroide no espaço.

Ao cruzar essa região, os detritos do asteroide entram na atmosfera da Terra. Se o céu estiver limpo, é possível ver até 120 “estrelas cadentes” por hora no céu, no momento de pico do fenômeno.

São as chuvas de meteoritos descobertas mais recentemente, bem no final do século 19, enquanto outros fenômenos semelhantes – como as Perseidas ou os Leônidas – foram descritos há mais de 1.000 anos.

As datas para apreciar esse fenômeno serão de 13 a 15 de dezembro de 2020.

Por BBC

Veja Também

Homem guarda rocha que pensa conter ouro, até descobrir que continha algo muito mais raro

Depois de guardar uma rocha por anos esperando encontrar ouro dentro dela, o australiano David ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.