Home / Mundo / Sobe para 55 o nº de mortos na Faixa de Gaza e em Israel

Sobe para 55 o nº de mortos na Faixa de Gaza e em Israel

Fumaça sobre a cidade de Gaza, na Faixa de Gaza, após ataques aéreos israelenses em 12 de maio de 2021 — Foto: Khalil Hamra/AP

A guerra de mísseis, foguetes e ataques aéreos entre Israel e palestinos entrou em seu terceiro dia nesta quarta-feira (12), e o número de mortos nos confrontos subiu para 55.

O maior conflito na região em anos já deixou 49 vítimas na Faixa de Gaza desde segunda-feira (10), segundo o Ministério da Saúde do enclave palestino, e seis em Israel, dizem autoridades médicas israelenses.

Quase 300 pessoas ficaram feridas em território palestino, incluindo 86 crianças e 39 mulheres. Entre os mortos estão 13 crianças e cinco israelenses, segundo a agência de notícias France Presse.

Entre as vítimas israelenses estão três mulheres e uma criança e dezenas de feridos.

Israel realizou centenas de ataques aéreos em Gaza nesta quarta, e militantes palestinos dispararam vários foguetes contra Tel Aviv, capital e segunda cidade mais populosa de Israel, e em Beersheba, no sul do país.

Rastros de luz do sistema antimísseis de Israel em ação na cidade de Ashkelon na noite de terça (11) — Foto: Nir Elias/Reuters

Rastros de luz do sistema antimísseis de Israel em ação na cidade de Ashkelon na noite de terça (11) — Foto: Nir Elias/Reuters

O enviado de paz da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland, disse que as Nações Unidas estão trabalhando com todos os lados para restaurar a calma.

O Conselho de Segurança da ONU se reúne novamente nesta quarta para debater o conflito, que já é o mais violento desde 2014 e aumentou a preocupação internacional de que a situação possa sair de controle.

Prédios atingidos

Aeronaves israelenses atacaram dois prédios na cidade de Gaza na terça-feira (11). Um prédio residencial de 13 andares foi destruído e desmoronou por completo.

A torre abrigava um escritório usado pela liderança política do Hamas, que controla a Faixa de Gaza. O grupo é responsável, junto com a Jihad Islâmica, pelos foguetes lançados contra Israel.

O país também atacou um edifício de nove andares que abriga apartamentos residenciais, empresas de produção médica e uma clínica odontológica, segundo a Associated Press.

A estrutura foi fortemente danificada, e fumaças e destroços chegaram ao escritório da agência de notícias em Gaza, que fica a 200 metros de distância do segundo prédio atingido.

Palestinos acusam Israel de derrubar prédio de 13 andares em Gaza

Fogo cruzado

Israel disse nesta quarta que uma série de bombardeios atingiu alvos importantes do Hamas, “contra casas que pertencem a membros de alto escalão”, e destruiu uma sede da polícia local.

A Jihad Islâmica, segundo maior grupo armado da região, anunciou ter disparado 100 foguetes contra o território israelense, a partir da Faixa de Gaza, “em resposta aos bombardeios de edifícios e civis”.

Israel diz que mil foguetes já foram disparados contra o país desde segunda (10), mas a maioria foi interceptado pelo seu sistema de defesa.

Alguns foguetes chegaram a cair nos arredores de Tel Aviv. O aeroporto internacional Ben Gurion teve todas as suas decolagens suspensas temporariamente para “permitir a defesa do espaço aéreo”.

O aeroporto voltou a operar no final do dia, segundo o jornal israelense “Haaretz”, mas foi novamente fechado durante a madrugada ao se tornar alvo de novos ataques.

Tel Aviv tem rotina alterada após ataque aéreo; brasileiros na cidade procuram abrigo

‘Guerra em larga escala’

Israel e Hamas se encaminham para uma “guerra em larga escala”, advertiu na terça-feira o enviado da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland.

“Uma guerra em Gaza seria devastadora e as pessoas pagariam o preço”, afirmou Wennesland sobre o pequeno território palestino onde vivem dois milhões de pessoas.

A área já sofre com a pobreza e uma taxa de desemprego de quase 50%, segundo o diplomata.

Diante da escalada de violência, a comunidade internacional fez um apelo por calma, mas os dois lados não dão nenhum sinal de apaziguamento.

Palestinos carregam o corpo de Hussain Hamad, de 11 anos, morto em uma explosão durante o conflito entre Israel e o Hamas, durante seu funeral em Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, na terça (11) — Foto: Khalil Hamra/AP

Palestinos carregam o corpo de Hussain Hamad, de 11 anos, morto em uma explosão durante o conflito entre Israel e o Hamas, durante seu funeral em Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, na terça (11) — Foto: Khalil Hamra/AP

‘Apenas o começo’

“Ainda há muitos alvos. Isto é apenas o começo”, advertiu o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, que era o comandante do exército durante o conflito em Gaza de 2014.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou que o Hamas “será atacado de uma maneira que não espera”. “O Hamas e a Jihad Islâmica pagaram — e pagarão — um alto preço”.

O líder do Hamas, Ismail Haniyeh, afirmou que, “se eles querem uma escalada, a resistência está pronta. Se eles quiserem parar, a resistência está pronta”.

Início dos confrontos

A onda de violência começou em Jerusalém Oriental, após confrontos entre palestinos e a policiais israelenses, principalmente na Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha de Jerusalém, na segunda (10).

A Esplanada das Mesquitas é conhecida como Monte do Templo pelos judeus e como Santuário Nobre pelos muçulmanos. O local é considerado o mais sagrado do Judaísmo e o terceiro mais sagrado do Islã.

O conflito se intensificou no “Dia de Jerusalém”, data do calendário hebraico que celebra a tomada de Jerusalém Oriental e da Cidade Velha por Israel em 1967. O dia é feriado nacional em Israel e, neste ano, coincidiu com o fim do Ramadã, o mês do jejum muçulmano.

Jerusalém Oriental é reivindicada como a futura capital da Palestina. Israel diz que Jerusalém é sua capital e indivisível, mas a grande maioria dos países reconhecem Tel Aviv como a capital do país.

Por G1

Veja Também

China confirma primeiro contágio humano de cepa da gripe aviária

Em 2016m China teve grande surto da gripe aviáriaJEROME FAVRE/EFE – 7.6.2016 A China informou, ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.