quarta-feira , 22 janeiro 2020
Home / Mundo / Turquia inicia ofensiva contra milícia curda na Síria

Turquia inicia ofensiva contra milícia curda na Síria

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou nesta quarta-feira (9) que suas tropas deram início a uma ofensiva militar no nordeste da Síria.

Erdogan afirmou que os alvos da operação Fonte de Paz são a milícia curda Unidades de Proteção do Povo (YPG), acusada de ter vínculo com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), e o Estado Islâmico. Forças lideradas pela YPG foram aliadas dos Estados Unidos no combate ao grupo terrorista durante a guerra na Síria.

De acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), a ofensiva desta quarta deixou 11 pessoas mortas – oito delas eram civis. A organização diz que as vítimas morreram por disparos de artilharia contra a cidade de Qamishli, de maioria curda.00:00/01:10

De acordo com as Forças Democráticas Sírias (FDS), constituídas por uma aliança de combatentes curdos e árabes, aviões bombardearam áreas com civis e provocaram “enorme pânico entre as pessoas”. As FDS, que estão no controle da região, informaram que dois civis morreram.

A mídia estatal síria e uma autoridade curda disseram que o ataque atingiu a cidade de Ras al-Ain, perto da fronteira com a Turquia.

O objetivo da ação, segundo Erdogan, é estabelecer uma “zona de segurança” no nordeste da Síria. Turquia pretende criar uma “zona livre” na fronteira com a Síria, onde se concentram as forças curdas. O governo de Erdogan alega que a milícia curda YPG, presente nessa região, atua de forma terrorista e está por trás de ataques em território turco ligados ao PKK.

O diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman, informou que milhares de pessoas deixaram a região das aldeias de Ras al-Ain e Tal Abyad. Eles se deslocaram para áreas adjacentes poupadas pelos ataques.

Na segunda-feira, a TV síria havia registrado ataques a bomba atribuídos a militares turcos contra alvos curdos. Entretanto, a Turquia não confirmou essa suposta primeira ofensiva.

Temor da volta do Estado Islâmico

Veículos do Exército dos Estados Unidos passam por estrada no nordeste da Síria, nesta segunda-feira (7) — Foto: ANHA via AP

A retirada das tropas americanas de posições importantes, como Ras al Ain e Tal Abyad, e o compromisso de não se envolver no confronto evidenciam uma mudança de estratégia por parte dos Estados Unidos, que abandona os curdos – os principais aliados de Washington na luta contra o grupo extremista.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sinaliza com isso um desejo de se reaproximar da Turquia, país integrante da Otan e que tem o segundo maior exército da aliança. Trump também cumpre, assim, promessa de campanha de que retiraria o seu país de conflitos antigos.

As FDS, também integradas pelos curdos, lutaram durante anos contra o Estado Islâmico e conquistaram em março seu último reduto na Síria, em Baguz.

Ancara rejeita esta hipótese, mas a ofensiva pode criar condições para o ressurgimento do grupo jihadista na região. Com os curdos enfraquecidos, sem apoio, e sob ataque turco, os terroristas remanescentes poderiam se aproveitar da situação e voltar a conquistar território.

Já a Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou anteriormente que se prepara para o pior no norte da Síria.

A guerra da Síria, que começou com a repressão aos protestos pró-democracia em 2011, já deixou mais de 370 mil mortos e milhões de refugiados.

Reações

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, pediu à Turquia, membro da Aliança, moderação em sua operação e que não comprometa a luta contra os terroristas do Estado Islâmico. Ele disse que discutirá a ofensiva na sexta-feira com o presidente turco em Istambul.

“Conto com a Turquia para agir com moderação e garantir que o progresso que fizemos na luta contra o Estado Islâmico não seja comprometido”, tuitou Stoltenberg.

A França disse que irá solicitar um encontro do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) para discutir a ação militar.

Curdos

Os curdos são um povo sem pátria e com um histórico de repressão e perseguições. Estima-se que cerca de 30 milhões vivam no território entre Turquia, Síria, Iraque, Irã e em uma pequena parte da Armênia. Mesmo tão populosa, a área conhecida historicamente como Curdistão não possui uma unidade territorial ou um governo único autônomo.

Os governos do Oriente Médio opõem-se à criação de um território autônomo para os curdos, pois temem que isso influencie movimentos separatistas em outros países.

Mapa dos curdos no Oriente Médio — Foto: Wagner Magalhães/G1

Mapa dos curdos no Oriente Médio — Foto: Wagner Magalhães/G1

Por G1

Veja Também

China tem novos casos após 2ª morte em surto de coronavírus

Autoridades sanitárias da China confirmaram neste sábado (18) quatro novos casos da misteriosa pneumonia viral ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.