quarta-feira , 21 outubro 2020
Home / Brasil / Vítima de furto no Réveillon recebe R$ 967 de volta e carta de perdão

Vítima de furto no Réveillon recebe R$ 967 de volta e carta de perdão

 

Bilhete postado por Eduardo Goldenberg teve milhares de curtidas e comparilhamentos (Foto: Reprodução / Facebook)
Bilhete postado por Eduardo Goldenberg teve milhares de curtidas e comparilhamentos (Foto: Reprodução / Facebook)

 

O advogado Eduardo Goldenberg, de 46 anos, narrou na internet uma história inusitada que viveu na virada do ano em Copacabana. Em relato postado no Facebook, com milhares de curtidas e comparilhamentos, ele conta que teve sua carteira furtada ao desembarcar da estação de metrô Siqueira Campos, em Copacabana. Na terça-feira (5), ao chegar ao trabalho, encontrou um envelope com quase todo o dinheiro que havia sido furtado, R$ 1.017, e um bilhete deixado pelo ladrão, pedindo perdão.

“Dr. Eduardo estou devolvendo seu dinheiro que eu peguei da sua carteira no dia 31 em Copacabana. Não dormi arrependido e peço que me perdoe. Feliz Ano Novo. Só tirei cinquenta reais pra comprar uma champanhe pra minha mãe. Fábio.”, dizia a nota, segundo Eduardo, que queria poder ajudar o ladrão arrependido. “Sem deboche, eu daria uma garrafa de champanhe melhor para ele.”

Mesmo diante de tamanha repercussão, o advogado ainda não sabe quem foi o autor do furto.

“Não tenho ideia de quem ele seja e torço muito para que ele me procure. Já que ele me pede para que eu perdoe, talvez dizer que eu o perdoei dê um alívio maior ainda. Eu tive zero raiva. Eu acho que todos esses caras são vítimas, eles não estão absolvidos de cara, evidente, mas eles não precisam de repressão e sim de assistência. É a educação que salva”, contou, em entrevista aoG1 nesta sexta-feira (8).

O advogado gostaria de poder agradecer pessoalmente e conhecer sua história. “Não sei o que eu faria, daria um abraço no cara. Não teria condição de empregar ninguém, mas procuraria saber qual a necessidade dele. Devolver não precisa de questionamento, é uma prova de que ele é um cara correto, mas o que levou ele a fazer isso? Quem gosta de conhecer gente, gosta de conhecer a história das pessoas. Queria saber o que levou ele a devolver o dinheiro. Tem um milhão de coisas aí. O grande fascínio, que é uma história bonita de Ano Novo, é ter um milhão de histórias por dentro: da mãe dele, a dele, mil desdobramentos.”

O roubo e o arrependimento
Frequentador do Réveillon de Copacabana há anos, Eduardo contou em seu relato na web que sempre saía só com a chave e um pouco de dinheiro. No último dia 31, no entanto, levou a carteira cheia, com documentos, carteira da OAB, cartões e até a carteira de sócio-torcedor do Flamengo. Para completar, em vez de levar apenas o dinheiro da bebida, levou R$ 1.017 em espécie.

“Vá entender. Mal saltamos na estação Siqueira Campos, plau!, senti uma mão estatelada no bolso esquerdo da bermuda cargo que eu vestia e adeus carteira (..)”, diz parte do relato na rede social.

Apesar do incidente, Eduardo diz que não se chateou com o roubo. Preferiu focar na celebração da data. Dias depois, ele recebeu uma mensagem no Facebook de uma pessoa que havia encontrado seus documentos.

“A pessoa que encontrou meus documentos era um policial militar. Ele não atua no batalhão de Copacabana. Mora em Nilópolis e achou meus documentos na própria Siqueira Campos e rebolou para me encontrar e devolver”, disse ele, acrescentando: Eu sou o sujeito passivo da história. Nem seria eu a aparecer. Tomara muito que esse menino apareça. É tanta gente impressionada pro bem, que não vai faltar gente pra ajudar.”

Pedido de desculpas
Parte dos problemas estavam resolvidos depois que os documentos foram recuperados. Mas, ao chegar em seu escritório no dia 5 de janeiro, veio a surpresa. Todo o dinheiro, menos os R$ 50 da champanhe, comprado para a mãe do autor do furto, foi devolvido.

“Não fui trabalhar na segunda-feira. Na terça, chegando ao escritório, me deparei com um envelope branco fechado, sem nada escrito nem na frente e nem no verso, com considerável volume dentro: senti que era dinheiro, só no tato. Entrei, já aflito. Tranquei a porta. Acendi as luzes, sentei-me, pus os óculos, abri com cuidado o envelope e contei, atônito, R$ 967,00 em dinheiro. E ainda um bilhete manuscrito cuja foto acompanha essa historinha.”

Leia o relato completo:
Estou desde terça-feira, 05/01/2016, ainda impactado, decidindo com meus botões se conto ou se não conto a história que vivi entre a noite do dia 31, em Copacabana, e o começo da tarde do dia 05 de janeiro. Se estou aqui a dizer-lhe isso, é claro, decidi contar e dividir as emoções que a coisa envolve. Eu, décadas de réveillon em Copacabana nas costas, sempre parti pro furdunço munido apenas da chave de casa, um pouco dinheiro que me baste pra beber na praia e um documento de identidade, nada mais. Nesse último réveillon, sem qualquer razão aparente, saí de casa com a carteira que uso no meu dia-a-dia: cheia de documentos, carteira da OAB, cartões de banco, da seguradora, carteira do plano de saúde, do programa de sócio-torcedor do Flamengo, meus cartões de visita, tudo. E R$ 1.017,00 em dinheiro – vá entender.

Mal saltamos na estação Siqueira Campos, plau!, senti uma mão estatelada no bolso esquerdo da bermuda cargo que eu vestia e adeus carteira, adeus dinheiro e nada disso importa, é 31 de dezembro, que façam bom uso do dinheiro, dos documentos eu peço a segunda via e vamos pra festa que é o que interessa. A única alteração no programado foi que perdi 10min ao telefone cancelando os dois cartões que eu carregava.

Fim do primeiro ato.

Estamos almoçando no dia primeiro com amigos na mesmíssima casa onde estivemos na noite da virada e recebo uma mensagem aqui pelo Facebook. Um cara, cuja identidade preservo em respeito, me contava que achara, na noite anterior, na própria Siqueira Campos, minha carteira com alguns documentos dentro. Fui, por razões de logística, no domingo à noite, ao seu encontro: recuperei, efetivamente, a carteira e todos os documentos (todos!, a única coisa cuja falta senti foram meus cartões de visita).

Fim do segundo ato.

Não fui trabalhar na segunda-feira. Na terça, chegando ao escritório, me deparei com um envelope branco fechado, sem nada escrito nem na frente e nem no verso, com considerável volume dentro: senti que era dinheiro, só no tato.

Entrei, já aflito. Tranquei a porta. Acendi as luzes, sentei-me, pus os óculos, abri com cuidado o envelope e contei, atônito, R$ 967,00 em dinheiro.

E ainda um bilhete manuscrito cuja foto acompanha essa historinha.

“Dr. Eduardo estou devolvendo seu dinheiro que eu peguei da sua carteira no dia 31 em Copacabana. Não dormi arrependido e peço que me perdoe. Feliz Ano Novo. Só tirei cinquenta reais pra comprar uma champanhe pra minha mãe. Fábio.”.

Eu só chorava.

Quem me protege não dorme.”

 

Por: Lívia Torres / G1

Veja Também

Alpinista morre e outro fica preso em paredão de cânion após pedra deslizar na Serra de SC

Um alpinista morreu e outro ficou preso a uma altura de 200 metros na manhã de domingo ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.