terça-feira , 22 setembro 2020
Home / Campo Grande / Vítima do trânsito há 11 anos, Rayssa lamenta morte de Bárbara: ‘sonhos cancelados na flor da idade’

Vítima do trânsito há 11 anos, Rayssa lamenta morte de Bárbara: ‘sonhos cancelados na flor da idade’


Crédito: Repórter Top e Facebook

Rayssa de Oliveira Favaro, 30 anos, ainda carrega sequelas de um acidente de trânsito, em abril de 2009, em Campo Grande. Mesmo assim, encontra forças para lamentar a morte de Bárbara Wsttany, em acidente causado pelo namorado, e dizer que, quem bebe e dirige, assume o risco de matar. 

‘’É muito triste ela perder a vida na flor da idade. É triste para a família e pra ela também. Foram sonhos cancelados, isso não deveria acontecer’’, disse Rayssa sobre a morte de Bárbara, ocorrida no dia 11 de julho deste ano, no bairro Cabreúva. 

‘Crime’

Rayssa era uma jovem estudante de Direito no ano em que o Fiat Uno que dirigia, pela Rua Bahia, foi atingido por um Honda Civic, que ‘voava’ a 104 Km/h, de madrugada, na Mato Grosso. O condutor, que tinha acabado de sair de uma festa, não tinha CNH e fugiu do local de forma covarde. 

Após o acidente, foram dois meses de coma. De volta à consciência, Favaro teve de reaprender a comer e a falar. Hoje, Rayssa ainda tem dificuldades na fala e anda com ajuda de um andador. 

A vida de Rayssa, que sonhava em ser juíza, tem sido marcada por centenas de sessões de fisioterapia. Ela luta com todas as forças para recuperar o equilíbrio do corpo e poder voltar a andar sozinha. 

Rayssa luta para voltar a andar sozinha. (Foto: Repórter Top)

Trânsito

Sobre o acidente que mudou totalmente a vida dela e também tirou a vida de Bárbara, Rayssa faz uma série de reflexões que poderiam ser ouvidas por quem faz e fiscaliza as leis de trânsito. 

Rayssa concorda com a prisão por homicídio doloso de Ricardo França Júnior, o namorado de Bárbara. Geralmente, acidentes com vítimas fatais são tratados como homicídio culposo, o que quase não acarreta pena ao condutor. 

‘’Quando você bebe e dirige, você está assumindo o risco de matar’’, respondeu Favaro. Ela entende que as leis melhoraram muito, mas os culpados conseguem escapar. 

‘’Quem está sofrendo a punição dá um ‘jeitinho brasileiro’ de pular fora… de fazer com que a lei não seja cumprida’’, destacou. 

Sobre álcool e direção, Rayssa acha que as campanhas de conscientização precisam ser mais intensas. 

‘’… tem de ser mais chocantes e falar mais sobre o assunto… para tocar mesmo, porque as pessoas só vão saber se acontecer com alguém da família delas’’, sugeriu Rayssa. 

Por Thiago de Souza / Top Midia News

Veja Também

Santa Casa anuncia colapso e diz que tem antibiótico suficiente só para 48 horas

Heber Xavier, presidente da ABCG, e o superintendente da gestão medico-hospitalar da Santa Casa, Luiz ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.